Brasileiro Marcelo Melo perde no ATP Finals

O jogo entre o mineiro Marcelo Melo e o polonês Lukas Kubot diante dos alemães Kevin Krawietz e Andreas Mies abriu nesta terça-feira (17) a segunda rodada do Grupo Mike Bryan do ATP Finals. Krawietz e Mies marcaram 2 sets a 0, parciais de 6/2 e 7/6 (7-5), em 1h22min, e Melo e Kubot dependem agora de uma combinação de resultados para chegar à semifinal do torneio, na O2 Arena, em Londres, na Inglaterra. Nesta terça à tarde jogam ainda o norte-americano Rajeev Ram e o britânico Joe Salisbury diante do holandês Wesley Koolhof e do croata Nikola Mektic. A terceira e última rodada do grupo será nesta quinta-feira (19), quando Melo e Kubot enfrentam Koolhof e Mektic.

"Hoje eles começaram bem, dominaram o primeiro set. No segundo conseguimos entrar em jogo, tivemos algumas poucas chances. Porém, eles foram melhores no geral", afirmou Marcelo, que tem o patrocínio de Centauro, BMG e Itambé, com apoio da Volvo, Orfeu Cafés Especiais, Head, Voss, Foxton, Asics, Bolsa Atleta e Confederação Brasileira de Tênis.

Um primeiro set com quebras para as duas duplas e um segundo sem chances de breaks, decidido no tie-break. No primeiro, os alemães quebraram duas vezes, chegando a abrir 4/1. Melo e Kubot devolveram um dos breaks e sacaram em 4/2. Mas, uma nova quebra fez os adversários marcarem 5/2 e fecharem em 6/2. No segundo, muito equilíbrio, com as duas parcerias mantendo seus serviços, sem dar oportunidades de break, 6/6. No tie-break, Krawietz e Mies fizeram 3/0, Melo e Kubot reagiram no décimo primeiro ponto, encostando, mas com novo mini break os alemães marcaram 7-5 e definiram o resultado.

Melo faz em Londres, este ano, sua oitava participação seguida no Finals, recordista entre os brasileiros, a quarta ao lado de Kubot, que já jogou em seis temporadas. E disputa esta edição como o tenista que mais vezes esteve no torneio entre todos os classificados nas duplas em 2020 e como a sequência ativa mais longa entre os jogadores, tanto em simples como em duplas. Nos setes anos em que já participou, foi duas vezes vice-campeão – em 2014 com o croata Ivan Dodig e, em 2017, com o parceiro polonês. O torneio que reúne as oito melhores parcerias da temporada está comemorando 50 anos, em sua despedida da capital inglesa. A partir de 2021, a cidade italiana de Turim receberá o Finals.

Fase de grupos - Na primeira fase, as oito duplas são divididas em dois grupos, jogando todas contra todas dentro dele. As duas melhores de cada um disputam as semifinais neste sábado (21). A decisão do título será neste domingo (22). Este ano, os nomes dos grupos das duplas são uma homenagem aos irmãos Bob e Mike Bryan, que deixaram as quadras nesta temporada.

Grupo Bob Bryan
(1) Mate Pavic (Croácia) / Bruno Soares (Brasil)
(4) Marcelo Granollers (Espanha) / Horacio Zeballos (Argentina)
(6) John Peers (Austrália) / Michael Venus (Nova Zelândia)
(7) Jurgen Melzer (Áustria)/ Edouard Roger-Vasselin (França)

Grupo Mike Bryan
(2) Rajeev Ram (EUA) / Joe Salisbury (Grã-Bretanha)
(3) Kevin Krawietz / Andreas Mies (Alemanha)
(5) Wesley Koolhof (Holanda) / Nikola Mektic (Croácia)
(8) Lukasz Kubot (Polônia) / Marcelo Melo (Brasil)

Recordista em títulos e semanas no topo do ranking – Recordista brasileiro em número de títulos, com 35 conquistas, e também em semanas no topo do ranking da ATP – 56 -, assim como em participações no ATP Finals – completou sete seguidas -, em 2019, Marcelo somou mais um recorde ao chegar a 500 vitórias, na estreia no ATP 500 de Washington, em julho, passando a ser o 35º jogador de todos os tempos a atingir essa marca.

Entre 2017 e 2018, Marcelo ficou 30 semanas – 25 consecutivas - como líder do ranking mundial individual de duplas da ATP (13 semanas em 2017 – terminando o ano como número 1 - e 17 semanas em 2018). Antes, ocupou a liderança pela primeira vez em 2015, por 22 semanas, também virando o ano na frente, e voltou ao primeiro lugar por mais quatro semanas a partir de maio de 2016.

Em 2020, no México, no ATP 500 de Acapulco, o mineiro Marcelo conquistou o 34º título da carreira, o 14ª com o parceiro polonês Lukasz Kubot, e agora, em Viena, somou o 35ª da carreira, 15º com Kubot. Pelo 14º ano consecutivo comemora no mínimo um título por temporada. Juntos, Melo e Kubot ganharam pelo menos um torneio por ano desde 2015.

Dos 35 títulos, todos em duplas, dois são Grand Slam – Roland Garros, na França (2015) e Wimbledon, em Londres (2017) e nove Masters 1000, além de nove ATP 500 e 15 ATP 250. Marcelo, 37 anos, e Kubot, 38 anos, formam parceria desde o início da temporada 2017. Antes, jogaram em torneios como o ATP 500 de Viena, em que foram campeões em 2015 e 2016.

Vinte e uma vitórias em 2020 - Melo e Kubot somam 21 vitórias em 2020, na estreia no Australian Open e no ATP 250 de Adelaide, na Austrália, duas no Rio Open, quatro em Acapulco, uma no Masters 1000 de Cincinnati, uma no ATP 500 de Hamburgo, uma na estreia em Roland Garros, três no primeiro ATP 250 e uma no segundo em Colônia, quatro em Viena e duas em Paris. A temporada 2019 teve 46 vitórias em 68 jogos. A dupla fechou o ano passado como a segunda melhor parceria do mundo, com 5.000 pontos - atrás apenas dos colombianos Juan Sebastian Cabal e Robert Farah (8.500). Já no ranking mundial individual de duplas, ficaram entre os top 10 na temporada passada: Marcelo em sétimo, com 4.910 pontos, pela sétima vez consecutiva entre os dez melhores do ano. Kubot, na sexta colocação, com 5.090. Marcelo encerrou 2018 como nono do mundo, foi primeiro em 2017 e 2015, oitavo em 2016 e sexto colocado em 2013 e 2014.

O primeiro título de Marcelo em torneios ATP foi em 2007, no Estoril, em Portugal. Tem dois Grand Slam, além de um vice em Londres (2013) e um vice (2018) e duas semifinais no US Open. Marcelo também lidera no número de títulos em Masters 1000. Em Xangai 2018 chegou ao nono, depois de ganhar Xangai (2013 e 2015), Paris (2015 e 2017), Toronto (2016), Cincinnati (2016), Miami (2017) e Madri (2017).

Temporada 2020

Título
ATP 500 - Acapulco (México), rápida
ATP 500 - Viena (Áustria), rápida

Vice-campeonato
ATP 250 - Colônia (Alemanha), rápida

Temporada 2019

Título
ATP 250 – Winston-Salem (EUA), rápida

Vice-campeonato
Masters 1000 – 
Indian Wells (EUA), rápida
ATP 500 - Halle (Alemanha), grama
ATP 500 - Beijing (China), rápida
Masters 1000 - Xangai (China), rápida
ATP 500 - Viena (Áustria), rápida

(Foto: Divulgação/ATP)

Comentários

+ lidas nos últimos 30 dias!

Mega-Sena acumula

Maringá FC vence Araucária e volta à Primeira Divisão do Campeonato Paranaense

Amavolei Maringá larga com vitória na Superliga C masculina