Para presidente do COI, Jogos Olímpicos serão “festival de esperança e resiliência"

O presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), o alemão Thomas Bach, afirmou nesta quarta (22), em entrevista à agência Reuters, que a próxima edição dos Jogos Olímpicos, que acontecem em 2021 no Japão, serão “um verdadeiro festival de esperança, resiliência e solidariedade”.

A declaração do dirigente é dada um dia antes da marca de um ano para o início do megaevento esportivo, que foi adiado por causa da pandemia do novo coronavírus (covid-19).

E é justamente no contexto do avanço do coronavírus, que já infectou mais de 15 milhões de pessoas ao redor do mundo e causou mais de 617 mil mortes, que Bach lança esta mensagem de esperança.

“Este marco do um ano para o início é muito significativo para o esporte, mas também para a sociedade mundial. Pode, e será, o grande festival de retorno do esporte para o cenário internacional e estamos nos preparando para isso […], fazer desses Jogos Olímpicos um verdadeiro festival de esperança, resiliência e solidariedade”, declara.

O dirigente também falou dos desafios de organizar uma edição dos Jogos em um contexto de pandemia: “Essa é uma tarefa gigantesca, porque não podemos preparar os Jogos Olímpicos como estamos acostumados. De fato, temos que nos preparar para vários cenários para os Jogos Olímpicos. Temos que levar tudo isso em conta [O que poderia acontecer, o que pode acontecer?]. Portanto, estabelecemos um princípio, e esta é a prioridade, que os Jogos Olímpicos respeitem e garantam a saúde de todos os participantes. Deste princípio, derivam os diferentes cenários. Então, queremos preparar esses Jogos e adaptá-los às circunstâncias da crise do momento, garantindo a todos o espírito olímpico. Porque é isso que torna os Jogos Olímpicos tão únicos, unindo o mundo inteiro”.
(Agência Brasil)

Comentários

+ lidas nos últimos 30 dias!

Mega-Sena acumula

Giovana Marinoski disputa o Open do Sul-Brasileiro no Beto Carrero

Maringá Futebol Clube anuncia mais 3 reforços para a Segundona do Paranaense